quarta-feira, julho 24, 2024

Últimas Notícias

Leite: vilão ou mocinho? Nutricionista fala sobre mitos e verdades

Professor de Nutrição do UniCuritiba desfaz dúvidas sobre o consumo de laticínios e reforça a importância do leite para a saúde

O Brasil é o maior produtor de leite da América Latina e o terceiro do mundo, mas o consumo no país fica abaixo da média mundial. Em 2023, os brasileiros consumiram 43,7 quilos de produtos lácteos, incluindo queijos, iogurtes, leite em pó e outros laticínios, segundo dados da Embrapa.

O leite lidera a preferência, representando 88% do consumo total de lácteos no Brasil. Queijos e iogurtes somam aproximadamente dois quilos per capita/ano. Enquanto a indústria leiteira trabalha para aumentar esses números, o produto aparece no centro de uma polêmica. Afinal, ele é ou não um alimento inflamatório?

“A resposta é não, o leite não é inflamatório. No entanto, deve ser evitado por pessoas com intolerância à lactose e excluído em casos de alergia”, diz o nutricionista Jhonathan Andrade.

De acordo com o professor do curso de Nutrição do UniCuritiba – instituição que faz parte da Ânima Educação – é preciso pensar na alimentação em um amplo espectro. “Alimentação é saúde, é afeto e envolve questões sociais e biológicas. Se você não é vegano e não tem restrições alimentares, celebre o Dia Internacional do Leite com um bom queijo, doce de leite ou um café com leite fresco.”

No mês dedicado ao leite (dia 1º de junho foi o Dia Mundial do Leite e em 24 de junho comemora-se o Dia Internacional do Leite), Jhonathan explica que embora algumas linhas de tratamento defendam a ideia de que o leite é inflamatório, existe literatura robusta mostrando que esse alimento possui propriedades anticatabólicas, contribui para o aumento da massa muscular e auxilia no emagrecimento.

“O leite é parte de uma dieta saudável e melhora a ingestão de cálcio, essencial para a prevenção de doenças ósseas. No caso dos veganos, intolerantes ou alérgicos, o leite de origem animal pode ser substituído por extratos vegetais”, ensina.

Alimentação saudável

As diretrizes da American Heart Association e American College of Cardiology reforçam as explicações do professor do UniCuritiba. Segundo as entidades americanas, lácteos como o leite desnatado, queijo e iogurte são excelentes para compor uma alimentação saudável.

Fonte de proteína, o leite é importante para a reparação e manutenção dos tecidos, formação de enzimas, hormônios e anticorpos. Também é rico em cálcio – mineral importante para a formação de ossos e dentes, prevenção da osteoporose e osteopenia, divisão celular, atividades enzimáticas e condução de impulsos nervosos.

Já as vitaminas A e B12 presentes no leite atuam em benefício da visão, cicatrização, desenvolvimento embrionário, defesa antioxidante e imunológica, formação das hemácias e prevenção da anemia.

Como identificar intolerância ou alergia

Os sintomas mais comuns da intolerância à lactose são diarreia ou prisão de ventre, flatulência, distensão e cólicas abdominais. A severidade depende da quantidade consumida e do limite que cada organismo suporta.

Já as alergias são mais intensas e podem causar reações gástricas, dermatológicas (urticária, dermatite) e respiratórias. A confirmação dos diagnósticos é feita por exames laboratoriais. Nesses casos é necessário substituir o leite de fonte animal por extratos vegetais (popularmente chamados de leite vegetal) associados a outras fontes de proteína para complementar a dieta.

Para quem tem restrições alimentares ou é adepto da dieta vegana (que exclui 100% dos alimentos de origem animal), existem opções. Quem tem intolerância pode experimentar leite sem lactose em pequena quantidade e observar se o desconforto gastrointestinal persiste. Já os alérgicos devem eliminar da dieta qualquer produto lácteo de origem animal.

“Ter o acompanhamento de um nutricionista é importante para garantir o equilíbrio nutricional e a saúde, seja qual for a situação”, finaliza o professor do UniCuritiba, que reforça: “Seja por escolha própria ou em caso de restrição alimentar, quem deseja manter o consumo de leite na dieta, mesmo que vegetal, tem boas opções.”

Extrato de aveia

Ingredientes:

·        2 xícaras de chá de aveia em flocos

·        4 xícaras de chá de água fria

Modo de preparo:

Coloque a aveia de molho na água por cerca de uma hora. Passado esse tempo, coloque tudo no liquidificador e bata bem. Coe e guarde esse “leite” na geladeira, consumindo em até três dias.

Extrato de castanha de caju

Ingredientes:

·        1 xícara de chá de castanha de caju (sem ser torrada)

·        3 xícaras de chá de água

Modo de preparo:

Coloque as castanhas de molho por 8 horas, com água suficiente para cobri-las. Escorra, coloque as castanhas no liquidificador e acrescente as três xicaras de água. Bata bem, coe a mistura e guarde na geladeira. O “leite de castanha” deve ser consumido em até três dias.

Extrato de arroz

Ingredientes:

·        1 xícara de chá de arroz branco

·        8 copos de água

Modo de preparo:

Lave o arroz e reserve. Coloque a água em uma panela e leve ao fogo. Quando estiver fervendo, acrescente o arroz e deixe cozinhar por uma hora, em fogo baixo e com a panela tampada. Depois desse tempo, desligue o fogo e deixe o arroz esfriar. Quando estiver freio, coloque no liquidificador e bata bem. Coe e mantenha na geladeira. Se achar que o “leite” ficou muito espesso, adicione mais água e misture.

Latest Posts

MAIS VISTAS