quarta-feira, abril 17, 2024

Últimas Notícias

Quais peixes convivem bem dentro do mesmo aquário?

Conhecer as características de cada espécie é fundamental para evitar conflitos entre os peixes. Muitas pessoas gostam da ideia de ter um aquário colorido e cheio de vida em casa. De água doce ou salgada, o importante é garantir que o aquário seja harmonioso e permita o bem-estar dos peixes.

Porém, garantir essa qualidade de vida não se resume apenas à alimentá-los corretamente ou fazer a manutenção constante do aquário.

Algo fundamental é decidir quais serão as espécies que estarão no aquário, e isso não é algo simples, em que você escolhe aquelas espécies que acha mais bonitas. Cada espécie tem suas próprias características, e, em muitos casos, elas podem ser incompatíveis com outras ou mesmo antagônicas. 

No texto abaixo, saiba mais sobre quais aspectos você deve conhecer sobre as espécies e quais são aquelas que melhor convivem dentro do mesmo aquário.

O que analisar antes de decidir quais peixes colocar no aquário?

Para fazer a melhor escolha quanto à compatibilidade dos peixes, é importante conhecer alguns fatores determinantes. Afinal, peixes com características distintas ou opostas não conseguirão conviver em harmonia e com boa qualidade de vida. Saiba o que você deve conhecer sobre as espécies a seguir.

Temperamento

Um dos fatores principais é pesquisar para saber se determinada espécie de peixe é calma e consegue conviver bem com os demais ou se ela é agressiva. Colocar peixes territorialistas é uma péssima ideia, pois eles entrarão em conflito.

Além do temperamento, também é importante considerar o tamanho dos peixes. Aquários maiores significam mais espaço e a possibilidade de haver mais plantas, que oferecem maiores barreiras visuais e físicas. Com isso, os peixes terão um lugar para se esconder e ficarão mais tranquilos. Nesse cenário, com um ambiente maior e bem decorado, é possível ter peixes territorialistas juntos, pois as chances de haver briga serão menores.

Agressividade

O peixe betta é uma espécie bonita que costuma estar em muitos aquários. Entretanto, é importante destacar que a agressividade é uma de suas principais características, principalmente com machos da mesma espécie. Portanto, o ideal é não colocar dois bettas machos no mesmo aquário.

O ideal é não misturar o betta com outro peixe que também é agressivo, pois isso fará com que ele o agrida. Agora, se no mesmo ambiente tiverem espécies pacíficas, não haverá problemas. Geralmente, o betta convive bem com os peixes poecilídeos, que incluem plati, molinésia, lebiste e espada.

Comportamento

Há peixes que vivem em temperatura e pH semelhantes, mas que apresentam comportamentos opostos que dificultam a convivência. É o caso do acará-disco e do acará-bandeira. O primeiro é uma espécie mais tranquila, que demora para se alimentar. Ele deixa a ração cair e afundar na água, indo com muita calma até ela para pegá-la. Por outro lado, o segundo, por ser mais agitado, come rápido, não deixando nada para ser consumido em seguida.

Portanto, pesquise e conheça bem quais são os comportamentos de cada espécie. Mesmo podendo viver em condições semelhantes, essas diferenças podem impedir a boa convivência entre eles.

Temperatura e pH da água

Por fim, um fator que não pode passar despercebido é saber se as espécies apresentam compatibilidade quanto à temperatura e ao pH da água. Existem espécies que vivem melhor em águas mais geladas, enquanto outros preferem aquelas mais quentes. O mesmo vale para o pH, com espécies se dando melhor em água mais ácida ou alcalina.

Vale lembrar que boa parte dos peixes são bastante sensíveis a alterações na água, então qualquer mínima mudança pode ser fatal para eles. O ideal é realizar a manutenção constante no aquário, garantindo que ele tenha bons filtros e outros equipamentos, assim como o funcionamento deles seja perfeito.

Peixes que vivem bem juntos

Quais espécies podem ficar juntas? No caso do aquário de água doce: acará-bandeira (que vive em cardume e deve estar acompanhado de pelo menos mais cinco peixes da mesma espécie); o tetra neon (que também vive em cardume, com pelo menos uma dezena da mesma espécie); e o mato grosso, que deve ser criado em um grupo de pelo menos seis peixes.

Já para o aquário de água salgada, as possibilidades incluem: o patela, que é calmo e não necessita ser cultivado em cardume; o borboleta, que deve ser criado ao menos com mais quatro animais da mesma espécie; o gobys, que fica na parte inferior do aquário e pode ser criado sem cardume; e o palhaço, que é bem sociável e pode ser criado em pares — evitando o peixe palhaço marrom, que é bem agressivo.

Latest Posts

MAIS VISTAS

Pular para a barra de ferramentas