- Publicidade -

A do e de sua comitiva à Ásia e ao Oriente Médio custou exatamente R$ 1.008.658,70 aos cofres públicos, de acordo com dados foram obtidos pelo Poder360 via LAI (Lei de Acesso à Informação). A equipe (íntegra abaixo desta reportagem) embarcou em 19 de outubro e retornou ao no dia 31 daquele mês.

Do total, R$ 931.301,77 foram com as passagens áreas e R$ 77.356,93 com o seguro-viagem internacional. Os dados são da Secretaria Geral da Presidência.

A ida de ao Sudeste Asiático foi a mais longa viagem do presidente até o momento. Ficou ausente por 10 dias, a contar a partir do dia 21, quando chegou em Tóquio, no Japão. Além da capital daquele país, ele passou por China, Emirados Árabes, Qatar e Arábia Saudita.

OUTRAS VIAGENS

Até o dia 7 de outubro, Bolsonaro e sua comitiva já tinham utilizado mais de R$ 5 milhões em dinheiro público em viagens oficiais, de acordo com a newsletter “Don´t LAI to me”, especializada na obtenção de informações do poder público via Lei de Acesso à Informação e publicada pela agência independente Fiquem Sabendo.

Uma parte dos dados obtidos é de 9 viagens internacionais. O custo total de todas elas é R$ 1.275.189,15. As despesas referem-se a pagamento de Comissária Aérea, Handling (apoio de solo para aeronave), aquisição de chips eletrônicos no exterior, seguro-viagem para as equipes de segurança e apoio da comitiva presidencial.

Eis a descrição dos gastos (por destino, data e custo):

  1. Suíça (15.jan.2019): R$ 278.412,43
  2. Washington (11.mar.2019): R$ 85.412,00
  3. Chile (17.mar.2019): R$ 20.531,77
  4. Israel (23.mar.2019): R$ 186.810,34
  5. Dallas (11.mai.2019): R$ 131.921,51
  6. Buenos Aires (30.mai.2016): R$ 25.003,43
  7. Japão (16.jun.2019): R$ 331.396,25
  8. Santa Fé (12.jul.2019): R$ 15.579,33
  9. Nova Iorque (23.set.2019): R$ 200.122,09
Veja Também  6 motivos por que Jair Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil

A agência também obteve informações de todas as viagens nacionais (52) do presidente até então. Há registro de uma ida a São Paulo, no dia 23 de janeiro, que custou R$ 396.501,30. Na mesma data indicada, no entanto, o presidente esteve em Davos.

Uma ida ao Guarujá, em São Paulo, no dia 15 de abril, foi R$ 140.749,56. Quando foi ao Rio de Janeiro no dia 20 de maio, a despesa foi de R$ 151.538,40. Uma ida a Manaus em 22 de julho saiu por R$ 210.080,05. Ao todo, as viagens domésticas custaram R$ 3.785.903,57

A soma das viagens internacionais com as nacionais feitas até o início de outubro, conforme dados obtidos pela agência, somam exatamente R$ 5.061.092,72.

Só a ida ao Sudeste Asiático corresponde 19,93% de tudo o que foi gasto em viagens (52 nacionais e 9 internacionais). Considerando-se apenas as viagens internacionais, a Ásia e o Oriente Médio deram R$ 79,1% de todas 9 as outras viagens juntas. 

TRAMITAÇÃO DO PEDIDO

O pedido foi registrado no dia 27 de outubro, quando a viagem ainda estava em andamento. Em 12 de novembro, foi reencaminhado ao Serviço de Informações ao Cidadão da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República. No dia 20, foi respondido:

“(…) esclarecemos que, uma vez que a viagem do Presidente Jair Bolsonaro à Ásia e ao Oriente Médio deu-se em período recente, informamos que as referidas despesas ainda não foram faturadas pelo setor competente”, informou a nota de resposta, que mencionou possibilidade de recurso no prazo de 10 dias.

Poder360 recorreu em 1ª Instância no dia 2 de dezembro. Na justificativa do recurso, a reportagem declarou já ter “transcorrido tempo suficiente” para o órgão competente ser capaz de detalhar as despesas, já que a viagem tinha sido realizada em outubro. O pedido foi aceito, e os gastos foram detalhados no dia 6.

Veja Também  Fies abre inscrições para o primeiro semestre nesta quarta (5)

Esta reportagem ainda recorreu em 2ª Instância no último dia 16 para que fossem divulgados outros gastos, como deslocamentos internos e alimentação, por exemplo. Também foram solicitadas informações sobre os beneficiários e as empresas emissoras das notas fiscais.

“Quanto às demais despesas citadas, informo que são de responsabilidade do Ministério das Relações Exteriores e um novo pedido de informação deve ser formulado àquela pasta solicitando os dados. Assim, o recurso é parcialmente deferido”, informou a nota enviada na última 2ª feira (23).

Poder360 não chegou a entrar em contato com o Itamaraty, sede das relações exteriores do Brasil. Provavelmente não obteria a especificação solicitada (íntegra das notas fiscais), pois é colocada sob sigilo até o fim do mandato do presidente.

COMITIVA

Bolsonaro foi acompanhado por 6 ministros, sendo que só 2 embarcaram no mesmo voo –Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional). Eis a comitiva oficial:

  1. Ernesto Araújo (Ministro de Estado das Relações Exteriores)
  2. Onyx Lorenzoni (Ministro de Estado da Casa Civil)*
  3. Tereza Cristina (Ministra de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento)*
  4. Osmar Terra (Ministro de Estado da Cidadania)*
  5. Bento Albuquerque (Ministro de Estado de Minas e Energia)*
  6. Augusto Heleno (Ministro de Estado Chefe do Gabinete de Segurança Institucional)
  7. Sen. Rodrigo Pacheco (DEM-MG)
  8. Sr. Célio Faria Junior (Assessor-Chefe da Assessoria Especial/PR)
  9. Sr. Filipe Martins (Assessor Internacional/PR)
  10. Dep. David Soares (DEM-SP)
  11. Dep. Fausto Pinato (PP-SP)
  12. Dep. Hélio Lopes (-RJ)
  13. Dep. Marco Feliciano (PODE-SP)
  14. Governador do Acre, Gladson Cameli *
  15. Emb. Ribeiro (Secretário de Comércio e Relações Internacionais/MAPA)*
  16. Secretário de Desenvolvimento Econômico e do Estado do Rio Grande do Sul, Ruy Irigaray *
  17. Presidente da Embratur, Gilson Machado Guimarães Neto
  18. Chefe da Assessoria Especial de Relações Institucionais/MECON, Caio Megale
  19. Superintendente da SUFRAMA, Coronel Alfredo Menezes *
  20. Diretor-Presidente do SERPRO, Caio Mário Paes de Andrade *
  21. – E comitiva técnica e de apoio da Presidência da República (13 integrantes)
Veja Também  “Afrouxamento da lei vai liberar os motoristas para agirem de forma mais imprudente”, avalia especialista sobre projeto que altera Código de Trânsito

*Não embarcaram com o senhor presidente.

- Publicidade -

Deixe uma resposta