- Publicidade -

Em sabatina na RecordTV, ele destacou que já foi elogiado por ter o “time dos sonhos” quando era ministro da Fazenda

Por Clara Sasse

O candidato à presidência pelo MDB, , afirmou que, se eleito, não vai indicar ministros e outros representantes do governo por afinidade política.

ÁUDIO: Acesse esta matéria na versão para emissoras de rádio

Em sabatina na RecordTV, na noite desta quarta-feira (22), o ex-ministro disse que a escolha feita de acordo com a credibilidade e experiência do profissional, como foi feito nas duas ocasiões em que assumiu cargo no governo.

Meirelles lembrou que, ao assumir o Banco Central, a equipe escolhida por ele foi nomeada pela imprensa de “time dos sonhos”. Ele acrescentou dizendo que o objetivo é buscar profissionais de alta qualificação técnica e que tenham a ficha limpa.

“Eu não só escolho pessoas de alta qualificação, mas sem preocupação com filiação cargo partidária porque eu não gosto de fazer promessa, falatório, eu gosto de mostrar resultado, mostrar o que eu fiz. É uma demonstração clara exatamente do que eu vou fazer quando assumir a presidência, criando um ministério que vai ser o ministério dos sonhos dos brasileiros”, alegou.

Ao ser questionado sobre uma possível parceria com o ex- Lula pelo período em que trabalhou no governo, Meirelles respondeu que retribuiu ao país. Disse ainda que o próprio petista foi beneficiado, já que, com o crescimento da economia, gerou aumento de popularidade e a criação de empregos.

O candidato ao Planalto ressaltou, também, que é contra a politização da Justiça. Ao falar sobre segurança pública, Meirelles disse que é preciso capacitar, equipar os policiais e criar um sistema integrado que, comandado pela Polícia Federal, seja transparente em todos os procedimentos da segurança pública.

Veja Também  Bolsonaro sanciona projeto que permite interceptação na correspondência de presos

 

- Publicidade -

Deixe uma resposta