sexta-feira, junho 14, 2024

Últimas Notícias

Hipertensão e hipotensão: entenda sintomas, diferenças e riscos

Pressão alta ou baixa? Veja o que é cada condição de saúde, suas causas e consequências

Por Alberto Borges

O dia 26 de abril é conhecido por ser o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, e de acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 36 milhões de brasileiros têm hipertensão, e o controle do quadro de pressão alta depende da mudança de hábitos e cuidados diários com o estilo de vida. Os índices saíram de 22,6% de hipertensos em 2006 para 26,3% em 2021, segundo o relatório Vigitem Brasil 2006-2021 publicado naquele ano. A hipertensão não é a única condição de saúde relacionada à pressão arterial, já que existe também a hipotensão ou pressão baixo. Abaixo, o EU Atleta traz os riscos e as distinções entre a pressão alta e pressão baixa, com ajuda de especialistas. Confira!

O que é?

Hipertensão

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma doença crônica, caracterizada por níveis elevados da pressão sanguínea dentro dos vasos, e é definida por níveis de pressão maiores ou iguais a 140×90 mmHg. A doença pode afetar o sistema renal, hormonal, cardiovascular e neurológico.

As recomendações sobre estilo de vida e terapia farmacológica são muito semelhantes, e incluem o uso de bloqueadores do sistema renina-angiotensina, antagonistas do cálcio e tiazídicos.

A última diretriz da Sociedade Brasileira de Hipertensão classificou a hipertensão como uma doença crônica não transmissível (DCNT) definida por níveis pressóricos, em que os benefícios do tratamento (não medicamentoso e/ou medicamentoso) superam os riscos.

Hipotensão

A hipotensão é definida quando os níveis de pressão arterial estão abaixo ou iguais a 90×60 mmHg. É um quadro transitório gerado pelo sistema nervoso autônomo (SNA), caracterizado por um conjunto de sintomas onde a pressão arterial pode ter valores inferiores ao padrão. A pressão é influenciada pelo sistema nervoso autônomo, simpático e parassimpático, este último representado pelo nervo vago, cuja função é reduzir a pressão arterial. Quando qualquer destes sistemas está em desequilíbrio, a pressão arterial pode reduzir.

Causas

Hipertensão

A hipertensão, de acordo com a médica cardiologista Aline Azevedo da Silveira, é uma doença multifatorial. Entre as causas estão: herança genética, idade avançada (onde ocorre o enrijecimento da parede arterial dos grandes vasos), colesterol alto e fatores modificáveis como sobrepeso e obesidade, alimentação inadequada (rica em alimentos industrializados) e sedentarismo.

A nutricionista Nemesis Monteiro explica que a condição é dependente de fatores genéticos, epigenéticos, ambientais e sociais, podendo ter causas endócrinas ou não endócrinas.

– Obesidade, apnéia obstrutitva do sono, sedentarismo, consumo elevado de bebida alcoólica, sexo, etnia, estresse, tabagismo e dieta rica em sódio, com o excesso de sal contido em temperos industrializados ou alimentos ultraprocessados, podem desempenhar um papel no desenvolvimento da hipertensão arterial em pessoas que têm uma tendência genética – comenta.

Além dos fatores de risco, estudos apontam que o número de casos aumenta com o envelhecimento, podendo ser maiores em indivíduos do sexo masculino com até 50 anos de idade e em mulheres após os 50 anos, em consequência da menopausa e da queda de estrogênio. Por fim, a obesidade e o sobrepeso podem acelerar em até dez anos o aparecimento da doença.

Hipotensão

Segundo Aline, as causas são inúmeras. Entre elas estão: diminuição do volume sanguíneo circulante (desidratação, sangramentos), alguns medicamentos, disautonomias (como diabetes e doença de Parkinson), mudanças posturais, reações alérgicas, exposição ao calor, valvopatias, infarto agudo do miocárdio, choque séptico, tromboembolismo pulmonar, entre outras. Pessoas saudáveis podem ter pressão baixa sem que isso esteja relacionado a alguma doença.

Todavia, também pode vir acompanhada de um conjunto de fatores sem causa específica, acometendo o indivíduo em situações comuns como: pós-raquianestesia em parto cesariano; permanecer longo tempo em pé; estar em local fechado e com temperaturas elevadas (metrô, ônibus, avião ou elevador); perdas sanguíneas agudas e perdas sanguíneas menores, como em exame de sangue ou doação de sangue em indivíduos hipotensos.

Existem as causas menos comuns: uso de anti-hipertensivos, ansiolíticos, antidepressivos, diuréticos e analgésicos; gravidez, principalmente pelo aumento da progesterona provocado pela própria gestação; uso abusivo de álcool; arritmia cardíaca; hipotireoidismo; indivíduos diabéticos (hipoglicemia); infecção grave (choque séptico) e em reação alérgica grave (choque anafilático); problemas emocionais.

Sintomas

Hipertensão

Os sintomas da hipertensão costumam aparecer apenas quando a pressão fica muito alta. Nesse caso, a pessoa hipertensa pode sentir:

  • Dor no peito;
  • Dor de cabeça;
  • Tontura;
  • Zumbido no ouvido;
  • Fraqueza;
  • Visão turva;
  • Sangramento nasal.

Hipotensão

A hipotensão em boa parte das vezes pode ser assintomática. Entretanto, Nemesis aponta que quando a queda de pressão é abrupta, o indivíduo pode sentir:

  • Dores de cabeça;
  • Náuseas;
  • Tontura;
  • Fraqueza;
  • Sensação de desmaio.

Riscos

Hipertensão

De acordo com as especialistas, os riscos da hipertensão não controlada incluem a doença renal crônica, acidente vascular encefálico, infarto agudo do miocárdio, insuficiência cardíaca e renal, diminuição da acuidade visual. As complicações nos órgãos-alvo, fatais e não fatais, incluem:

  • Coração: doença arterial coronária, insuficiência cardíaca, fibrilação atrial e morte súbita;
  • Cérebro: acidente vascular encefálico, isquêmico ou hemorrágico, demência;
  • Rins: doença renal crônica, que pode evoluir para necessidade de terapia dialítica;
  • Sistema arterial: doença arterial obstrutiva periférica.

Hipotensão

Quando a hipotensão é severa e associada a sintomas, é fundamental a avaliação médica devido à possibilidade de doenças como infarto agudo do miocárdio, tromboembolismo pulmonar e, principalmente, complicações severas como choque.

Os riscos mais temidos por especialistas são a perda de consciência ou traumas mais graves relacionados ao crânio (traumatismo pela queda da própria altura), fraturas em membros superiores ou inferiores, AVC (Acidente Vascular Cerebral) hemorrágico e parada cardíaca. Em casos mais graves o choque hipotensivo é gerado por infecções como pielonefrite ou uma infecção urinária não tratada.

Pode levar à morte?

Hipertensão:

Sim, pois por se tratar de condição frequentemente assintomática, a hipertensão arterial costuma evoluir com alterações estruturais ou funcionais em órgãos como coração, cérebro, rins e vasos. Segundo o Ministério da Saúde, a hipertensão arterial sistêmica é a principal causa de morte no país: anualmente são 300 mil óbitos, 820 por dia, 30 por hora e um a cada 2 minutos.

A pressão alta é o principal fator de risco modificável com associação independente, linear e contínua para doenças cardiovasculares, doença renal crônica e morte prematura. Associa-se a fatores de risco metabólicos para as doenças dos sistemas cárdio circulatório e renal, como dislipidemia, obesidade abdominal, intolerância à glicose e diabetes melitus.

Hipotensão:

A hipotensão também pode levar ao óbito, principalmente se acometer indivíduos mais debilitados como gestantes, idosos, pacientes com doenças neurológicas, pessoas muito magras ou com doenças associadas. Isso pode ocorrer principalmente pelo risco da queda e possíveis ferimentos que podem acometer o indivíduos, o tempo que ficará sem assistência ou até mesmo a falta de oxigenação cerebral, neste último os danos podem ser irreversíveis.

Quais os riscos para atletas?

Hipertensão:

A cardiologista explica que em pessoas com pressão normal, o exercício aeróbio induz a um aumento da pressão máxima ou sistólica, proporcional ao aumento da intensidade de exercício, e isso é fisiológico. Quando a doença não é diagnosticada de forma adequada ou não há o tratamento adequado, níveis de pressão elevados no pico do esforço podem favorecer complicações como arritmias e acidente vascular encefálico.

Nemesis alerta que o uso indiscriminado de suplementos estimulantes pode aumentar o risco pressão alta em atletas e praticantes de atividades físicas. Entretanto, observa-se baixa incidência de doenças cardiovasculares em indivíduos fisicamente ativos.

Hipotensão:

Guilherme Renke, endocrinologista e médico do esporte, observa que os treinamentos de força podem levar à pressão baixa por conta do sistema nervoso parassimpático, pois ele tem a função de fazer o organismo baixar a tensão, principalmente em iniciantes. No esporte aeróbico de baixa a média intensidade e longa duração, pode ocorrer pelo nível de sódio e água no suor, em casos de falta de reposição.

Os atletas precisam ter auxílio médico e realizar avaliações do metabolismo com frequência, como testes de VO2. A hidratação é fundamental, antes e durante o treino. Independentemente do papel na manutenção da pressão arterial, a hidratação mantém o funcionamento normal dos músculos.

Quais são as formas de prevenção?

Hipertensão:

Segundo a diretriz brasileira de hipertensão, algumas medidas de prevenção são pautadas no:

  • Controle do ganho de peso;
  • Dieta saudável: em destaque está a dieta DASH e suas variantes com baixa quantidade de gordura, como as dietas mediterrânea, vegetariana/vegana, nórdica, low carb. Os benefícios podem ser maiores quando associados a uma redução de ingestão de sódio. Uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, cereais, alimentos integrais, leite e derivados, gorduras mono e polinsaturadas, gordura saturada de vegetal (abacate, coco e açaí), além de indicar menor quantidade de gordura saturada de origem animal e sal, pode contribuir com efeitos positivos sobre a pressão arterial favorecer o controle da obesidade e sobrepeso;
  • Controle do consumo de sódio;
  • Suplementação de potássio, sendo esta uma alternativa segura, sem importantes efeitos adversos, com impacto significativo na pressão arterial e pode ser recomendada para a prevenção do aparecimento da hipertensão. O consumo de alimentos pobres em sódio e ricos em potássio, como feijões, ervilha, vegetais de cor verde-escura, banana, melão, cenoura, beterraba, frutas secas, tomate, batata-inglesa e laranja, é incentivado;
  • Prática de atividade física regular: adultos devem ser aconselhados a praticar pelo menos 150 minutos por semana de atividades físicas moderadas ou 75 minutos por semana de vigorosas. Os exercícios aeróbicos (caminhada, corrida, ciclismo ou natação) podem ser praticados por 30 minutos em cinco a sete dias por semana. A realização de exercícios resistidos por dois a três dias por semana também é recomendada. Para um benefício adicional, em adultos saudáveis, recomenda-se um aumento gradual da atividade física para 300 minutos por semana de intensidade moderada ou 150 minutos por semana de atividade física vigorosa;
  • Controle do consumo de álcool: a ingestão de bebida alcoólica deve ser limitada a um máximo de 30 g de álcool por dia. Isso equivale a uma garrafa de cerveja (5% de álcool, 600 mL); ou duas taças de vinho (12% de álcool, 250 mL); ou uma dose (42% de álcool, 60 mL) de destilados (uísque, vodca, aguardente). Esse limite deve ser reduzido à metade para homens de baixo peso, mulheres com sobrepeso e/ou triglicerídeos elevados. Indivíduos abstêmios não devem ser induzidos a beber;
  • Fatores psicossociais: o manejo do estresse pode contribuir para a prevenção da hipertensão;
  • Suplementos alimentares: algumas substâncias cuja suplementação tem alguma evidência de discreta redução da pressão alta são: vitamina C, peptídeos bioativos derivados de alimentos, alho, fibras dietéticas, linhaça, chocolate amargo (cacau), soja, nitratos orgânicos e ômega;
  • Combate ao tabagismo: o fumo é o único fator de risco totalmente evitável de doença e morte cardiovasculares, e seu enfrentamento precisa ser feito e incentivado;
  • Espiritualidade: o conceito de espiritualidade, que transcende religiosidade, significa um conjunto de valores morais, emocionais, de comportamento e atitudes com relação ao mundo. Estudos apontam algumas evidências sobre os benefícios na redução do risco de mortalidade em doenças cardiovasculares e níveis de pressão. Segundo o estudo de coorte Black Women’s Health Study, as mulheres que lidavam com as situações de estresse (coping) usando a espiritualidade e a religiosidade tinham um risco menor de desenvolver hipertensão no seguimento de 10 anos, e essa associação era mais forte naquelas que relataram maior nível de estresse.

Hipotensão:

A prática de exercício físico pode ser uma boa estratégia de prevenção da pressão baixa, principalmente pela atividade física promover o ganho de massa muscular em membros inferiores, o que favorece o retorno venoso pela contração das panturrilhas. Em idosos, jovens e gestantes, são incentivadas atividades que fortaleçam as panturrilhas, a hidratação e o consumo de sal de forma equilibrada.

Também é favorável evitar as situações que levam o indivíduo a apresentar hipotensão através de uma boa hidratação, evitando períodos longos em pé ou locais fechados e quentes e praticando atividade física regular (especialmente exercícios isométricos).

Tratamentos:

Hipertensão:

O tratamento engloba medidas comportamentais e mudança de estilo de vida, incluindo alimentação adequada e orientada, atividade física regular, controle da respiração, estresse e espiritualidade. Quando indicado, há tratamento farmacológico com medicações visando a proteção cardiovascular.

Existem fortes evidências de que os seguintes fatores são importantes no tratamento: combate ao tabagismo; melhora do padrão alimentar; redução do consumo de sódio; aumento do consumo de alimentos fonte de potássio; consumo de laticínios e chocolate intensos com percentual acima de 70% cacau; manutenção de bons níveis de vitamina D; perda de peso; redução do consumo de bebidas alcoólicas; prática de atividade física regular com intensidade moderada; respiração lenta; controle de estresse; espiritualidade e religiosidade.

Hipotensão:

A nutricionista pontua que o tratamento é pautado em medidas básicas como:

  • Melhora da hidratação oral ou endovenosa (em casos mais graves, para repor volume);
  • Consumo adequado de sal (em pessoas que não sejam hipertensas);
  • Consumo de frutas ricas em água;
  • Evitar chás diuréticos para minimizar os efeitos da perda de líquidos em excesso;
  • Evitar o consumo de bebida alcoólica que o seu consumo sem a hidratação adequada, que pode gerar o aumento da perda urinária e uma queda abrupta da pressão arterial;
  • Medidas como deitar-se com as pernas elevadas (principalmente em gestantes, idosos e jovens);
  • Uso de meias elásticas.

A especialista em cardiologia finaliza ao dizer que é importante avaliar a causa da hipotensão. Na grande maioria dos pacientes, medidas comportamentais conseguem restabelecer os níveis de pressão normal. Entre elas, como hidratação, deitar com pernas elevadas, meias elásticas. Mas quando a pressão baixa é consequência de outra doença, o tratamento dessa doença deve ser prioridade, assim como a necessidade de ajuste medicamentoso quando este é a causa da hipotensão.

Latest Posts

MAIS VISTAS

Pular para a barra de ferramentas