segunda-feira, 4 julho, 2022

Água brasileira produzida a partir do ar da Floresta...

Água brasileira produzida de forma consciente a partir do ar da Floresta Amazônica, a “Ô Amazon Air Water”, comercializada desde 2019 no mercado Europeu,...

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

4 ferramentas digitais para o departamento de compras da sua empresa

Quando se está no meio empresarial, é difícil definir qual é o setor da empresa que é o mais caótico. Sabemos que...

4 páginas para encontrar conteúdos de vendas

Existem profissões onde por mais que você estude, se forme, seu diploma que garanta que sim, você entende desse determinado assunto,...

Pousada Paraty Paradiso

Uma das MELHORES OPÇÕES da região. SOBRE Aqui na Pousada Paraty Paradiso você se torna parte...

GKay Nua!

GKay aproveitou o domingo de sol no inverno do Rio de Janeiro para curtir a piscina como veio ao mundo: pelada! A...

Dupla sertaneja Maiara e Maraisa é proibida de usar a marca “As Patroas”

Advogado comenta decisão judicial e alerta sobre a importância do registro no INPI; Tiazinha, Fadinha do Skate e Cartolouco são alguns dos nomes que também tiveram problemas com suas marcas

Decisão judicial do Juiz Argemiro de Azevedo Dutra, da 2ª Vara Empresarial de Salvador, Bahia, determinou que a dupla Maiara e Maraisa não possa mais se utilizar da denominação “As Patroas”, marca que utilizam há algum tempo.

De acordo com a sentença, a dupla sertaneja está proibida de utilizar-se da expressão no singular e no plural, ou seja, “Patroa” ou “Patroas”. A ordem judicial foi concedida atendendo pedido da cantora baiana Daisy Soares, que foi reconhecida como proprietária da marca.

Segundo Francisco Gomes Junior, especialista em direito digital e presidente da ADDP (Associação de Defesa de Dados Pessoais e Consumidor), a cantora Daisy foi quem solicitou o registro da marca “Patroa” junto ao INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial). “Se não houve impugnação da solicitação da marca, ela foi dada a quem fez o requerimento e somente poderá ser alterada por meio de decisão em ação judicial que se promova para anular esse registro.”

Veja Também  Fernanda Salgado lançou novo trabalho: De Lady A Rapariga

É necessário destacar que a decisão judicial não é definitiva, foi concedida na de antecipação de tutela pelo fato de Daisy ter comprovado registro junto ao Instituto e a utilização da marca “Patroa” em seus shows desde 2014. Sabe-se que Maiara e Maraisa buscavam registrar a marca em seu nome, o que teria levado a cantora baiana à decisão judicial para impedir a violação da marca.

Celebridades e famosos devem tomar cuidado com a gestão de suas marcas para não serem surpreendidos com registros delas por outras pessoas. Além da disputa envolvendo a dupla Maiara e Maraisa temos o caso de Rayssa Leal, medalhista olímpica brasileira. Ao consultar o INPI, os representantes legais da atleta descobriram que a denominação “Fadinha do Skate” já estava registrada em nome de uma empresa de odontologia.

Veja Também  VITOR PIRRALHO TRAZ O CINEMA PARA SUA MÚSICA E LANÇA "VIDA GAME EM CENA"

Para buscar recuperar o uso da marca, Rayssa teve que ingressar com vários procedimentos administrativos perante o próprio INPI a fim de anular as concessões de marcas anteriores. Um processo trabalhoso. O mesmo procedimento teve que ser feito por Lucas Strabko, o jornalista que a marca “Cartolouco”, que já estava em nome de outra pessoa.

O problema não é novo. Sucesso na década de 90, a personagem “Tiazinha”, interpretada por Suzana Alves, foi registrada por outra pessoa perante o INPI. Depois de um tempo de conversas, houve um acordo e a marca para Suzana.

“Muitas vezes o artista esquece de sua marca e quando vai fazê-lo tem a surpresa desagradável do registro em nome de outra pessoa. Importante não confundirmos conceitos, como estamos na era digital, muitas pessoas pensam que basta obter o registro do domínio para a utilização exclusiva da marca. São coisas distintas. O registro serve como identificação de endereço perante a Internet, mas não substitui o registro da marca perante o INPI”, explica Gomes Júnior. “Diz um provérbio popular que “quem não registra, não é dono”, o que vale também para quem se utiliza ou cria sua marca. A decisão que atinge Maiara e Maraisa traz luz sobre assunto e alerta para a necessidade de registro perante o INPI de qualquer marca”, conclui o especialista.

Francisco Gomes Júnior – Sócio da OGF Advogados. Presidente da Associação de Defesa de Dados Pessoais e do Consumidor (ADDP). Autor do livro Justiça Sem Limites. Instagram: https://www.instagram.com/franciscogomesadv/

Comentários

Latest Posts

4 ferramentas digitais para o departamento de compras da sua empresa

Quando se está no meio empresarial, é difícil definir qual é o setor da empresa que é o mais caótico. Sabemos que...
Veja Também  Belo movimenta a web e lança música inédita nesta sexta-feira

4 páginas para encontrar conteúdos de vendas

Existem profissões onde por mais que você estude, se forme, seu diploma que garanta que sim, você entende desse determinado assunto,...

Pousada Paraty Paradiso

Uma das MELHORES OPÇÕES da região. SOBRE Aqui na Pousada Paraty Paradiso você se torna parte...

GKay Nua!

GKay aproveitou o domingo de sol no inverno do Rio de Janeiro para curtir a piscina como veio ao mundo: pelada! A...

MAIS VISTAS

Luisa Sonza tem nude postado em rede social e desabafa: VEJA FOTO!

A cantora Luisa Sonza, casada com o  Whindersson Nunes, foi alvo de um ataque em sua rede social, na manhã deste domingo (03). O invasor...

Completamente Nua, Naiara Azevedo esbanja beleza e sensualidade: ‘Maravideusa’

Cantora deu o que falar na web com clique pra lá de ousado e conseguiu atingir 106 mil curtidas dos seguidores.

Vereadora tem vídeo íntimo vazado na internet e fala em se matar

Maria Helena (PSD), afirmou que está bastante abalada e até chegou a pensar em tirar a própria vida após ter vídeo íntimo...

Mulher filmada em cena de sexo no show de Henrique e Juliano denuncia estupro

Vídeo do momento viralizou nas redes sociais; divulgar imagens íntimas é crime e pode gerar pena de um a cinco anos.

Modelo, dançarina e influenciadora digital Etiane Felix recebe proposta para ser a capa da revista Sexy

No auge dos 30 anos, Etiane Felix, mais conhecida como Japonegra, inspira outras garotas e mulheres que sonham em fazer da internet...

COMO VOCÊ GASTA O SEU TEMPO?

Assine a newsletter do PORTAL !YOBA e receba conteúdo exclusivo para seu dia.

Comentários
%d blogueiros gostam disto: